afinal, o juiz é inimigo de quem?

oi,

estou aqui hoje a pensaire rsr

(assistindo o pexão contra o maringá pela copa do brasil).

afinal, o juiz é inimigo de quem?

essa pergunta vem em função do excelentíssimo dr. sergio fernando moro, titular da 13ª vara federal de curitiba, paraná, e doutor em direito pela ufpr.

Sérgio-Moro

a revista veja o desenha como um guerreiro espartano que, bravamente, luta contra os donos de empreiteiras e políticos que sugaram bilhões da petrobrás.

para ilustrar brevemente tal entonação jornalística, lá vai: “…a verdadeira queda de braço entre moro e os corruptos está apenas começando”.

no manual de boas maneiras e na doutrina clássica: o juiz deve ser, de todos os atores do palco processual, o mais discreto. 

– não deve sequer almejar o posto de coadjuvante, muito menos de papel principal.

– sabe qual é sua glória? qual? qual?

– passar desapercebido como árvore, que compõe o cenário – como nos teatrinhos da infância…

o grande feito de sua vida, assim como o árbitro de futebol, é nem notarem sua presença, é contar para os netos os tantos anos que conduziu tranquilamente os processos.

isso, claro, nos manuais clássicos.

e hoje? quem o juiz deve odiar?

a função nobre da judicatura, calcada num procedimento claro de desencargo de consciência, consiste em averiguar a base fática e o enquadramento jurídico.

caso algum dos dois fatores não se encaixe, ufa. está ele livre de dar ao postulante a consequência pretendida.

não poderá o postulante apontar-lhe o dedo na cara e dizer: “juiz filho da puta!”.

diria ele, com cara irônica: “ora, caro amigo, não está nos autos o encaixe correto entre o fato provado e a norma (princípiológica ou regra)”.

enfim, não precisamos estudar meses a fio para perceber que a alta função de juiz é segura, do ponto de vista de sua própria consciência.

agora: onde está seu brio, seu ego, seu sangue nas veias? onde está o sonho infantil de fazer justiça e salvar o planeta (superman)? talvez, aí, está a raiz do ódio.

somos-todos-s-moro

quem já trabalhou de assessor sabe!

quem já trabalhou como assessor sabe que, de modo geral, o juiz decide antes e pede para o assessor redigir a sentença na direção que, de antemão, definiu.

ai do subordinado se redigir em sentido contrário.

logo, juris ou ideologia? técnica sentencial ou decisionismo? subsunção ou intenção? enfim…

que assunto pé no saco né?

quem sou eu para falar de ética, moral, bons costumes, bem comum rsr..

afinal, o promotor é inimigo de quem? o delegado é inimigo de quem? o advogado apaixona-se pela causa?

CURITIBA, PR, 02.03.2015: EDUCAÇÃO-PR - Juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelo caso da Operação Lava Jato, após a aula inaugural para estudantes de direito na ESMAFE/PR (Escola Superior da Magistratura Federal), em Curitiba, na noite desta segunda-feira (2). (Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem / Fotoarena)
CURITIBA, PR, 02.03.2015: EDUCAÇÃO-PR – Juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelo caso da Operação Lava Jato, após a aula inaugural para estudantes de direito na ESMAFE/PR (Escola Superior da Magistratura Federal), em Curitiba, na noite desta segunda-feira (2). (Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem / Fotoarena)

vc sabe ser sexy?

dicas infalíveis:

1) olhe com desprezo;

2) use roupas justas;

3) seja “ânus” doce;

e lembre-se:

ser sexy, não quer dizer que vc tenha que pegar todo mundo… não seja fútil, seja apenas atraente.

kkkk